Coronavírus: doença ou epidemia da ignorância?

Autor: Yeltsin Lima

Sou desenvolvedor front-end, recém formado em Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, mas com conhecimento em áreas bem diversas que vão desde comunicação até gerenciamento de projetos e de equipe.

9 de março de 2020

Com o aumento dos casos confirmados de Coronavírus, pessoas de diversos países começaram a estocar alimentos, como se estivéssemos no meio de uma guerra nuclear ou num apocalipse zumbi.

Por exemplo, analisando as tendências no Google Trends sobre o COVID-19 dá para perceber que a sociedade, em especial nos Estados Unidos, anda bastante assustada com a doença. Talvez seja pelo fato de não ter cura ou pela forma com que foi noticiada pelos grandes canais de comunicação.

Sim, o Coronavírus é uma doença séria e a facilidade de transmissão do mesmo é “assustadora”, mas há doenças piores que foram esquecidas ou ignoradas pela imprensa e ninguém estocou alimentos em seu bunker residencial.

Geralmente quando ocorre algum surto de doença, as agências de saúde fazem relatórios e comunicados explicando direitinho sobre a doença, as formas de transmissão, entre outros. Gosto muito de consultar os dados do CDC (Center for Disease Control and Prevention).

Pessoas com maior risco

Geralmente idosos são as pessoas com um risco maior de contrair Coronavírus. Além de pessoas com doenças crônicas como:

  1. Diabetes
  2. Doenças do coração
  3. Doenças do pulmão

Especificamente para esse público, é recomendado “estocar” suprimentos como medicamentos e alimentos.

Transmissão

O COVID-19 é um vírus novo, ou seja, ainda estão sendo estudados as formas de transmissão. O que já se sabe é que o vírus se transmite de pessoa para pessoa, através de partículas respiratórias soltadas quando uma pessoa infectada tosse ou espirra.

Além disso, é possível pegar o vírus através de objetos “infectados”. Essa transmissão ocorre ao pegar nos objetos e depois levar as mãos à boca, ao nariz e possivelmente ao olho. No entanto, essa não é a forma principal de transmissão.

Sintomas e Prevenção

Os sintomas do Coronavírus são bem similares ao da gripe: febre e tosse. Ele também pode causar falta de ar.

A prevenção é feita de diversas formas:

  1. Evitar contato com pessoas doentes;
  2. Evitar tocar os olhos, a boca e o nariz;
  3. Ficar em casa quando doente;
  4. Cobrir a tosse e/ou o espirro com um lenço e depois jogá-lo fora;
  5. Limpar e desinfetar objetos e superfícies recém tocadas com desinfetantes;
  6. Limpar as mãos frequentemente com sabão e água por pelo menos 20 segundos especialmente após usar o banheiro, fazer refeições ou após tossir ou espirrar;
  7. O uso de máscaras por pessoas saudáveis não é sugerido (segundo o CDC), mas deve ser utilizado por pessoas doentes.

Origem

Epidemiologistas acreditam que o vírus tenha originado especificamente no Huanan Seafood Wholesale Market, uma espécie de mercado público de Huanan. O grande problema é que Wuhan é um grande hub de transporte e o surgimento do vírus coincidiu com o ano novo lunar, uma data comemorativa em que muitas pessoas realizam viagens domésticas.

Antes de mais nada… calma!

O Coronavírus é uma doença grave? É sim. Foram mais de 3.000 mortes até agora e são mais de 100 mil casos da doença confirmados ao redor do mundo. A taxa de mortalidade do COVID-19 continua em 3%, comparado ao SARS que é de 9% (a percentagem para idosos é de 50%). Os números do SARS foram de “apenas” 8.000 infectados e 800 mortes. Já a SRME, que ocorreu no Oriente Médio, teve 238 casos confirmados, mas causou a morte de 92 pessoas, ou seja, 36% de taxa de mortalidade.

O número de 3.000 mortes do Coronavírus pode parecer enorme, mas não é nada comparado ao número de mortes causado pela gripe comum. Em 1 ano, o CDC estima que entre 34 milhões e 49 milhões de pessoas foram infectadas pela gripe comum, que ocasionou entre 350 e 620 mil internações e provocou entre 20 e 52 mil mortes.

Nos Estados Unidos, a gripe comum é um problema maior para a saúde pública do que o Coronavírus. Em menos de três meses, a Influenza já matou 10.000 pessoas no país. E olhem que a mortalidade da gripe comum é de bem baixa 0,095% das pessoas infectadas.

E uma coisa é dizer que o vírus tem 3% de mortalidade e a outra é dizer que 3% da população mundial vai morrer. A China, por exemplo, país que originou a doença, já tem mais casos de gente recuperadas do que de gente doente. Por mais que não tenha cura nem vacinas (por enquanto), isso não significa que não tenha outras formas de tratar.

Existiu um relato de um paciente curado do Coronavírus com um coquetel feito com drogas contra AIDS. Mas até agora nenhuma outra notícia foi publicada à respeito. Esperamos que encontrem a cura rápido, mas uma coisa é fundamental: mantenham a calma.

Você também pode gostar de:

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *