O incrível (só que não) mês de abril

Este mês de abril percebi que precisava mudar muitas coisas da minha vida e do local onde moro. Vamos começar pelo que ocorreu no mês, o que fiz para remediar e os passos para evitar que isso ocorra no futuro.

A coluna quase vai de arrasta

Minha cadeira gamer tinha quebrado. As rodas já não rodavam, o encosto para a coluna era extremamente quente e os apoios dos braços estavam completamente destruídos.

Por um tempo utilizei uma cadeira de jantar, mas por ela ter uma “decoração” no estilo palha, o material começou a incomodar bastante, chegando a criar feridas na minha pele e deixando o trabalho bastante desconfortável.

E aí eu falei: bom, então vou sentar na cama, não deve ser tão ruim. Foi. Chegou um ponto que realmente pensei que ia morrer de tanta dor na coluna.

Alguns me recomendaram a cadeira da Herman Miller, mas o custo caríssimo me fez desistir de comprar. Não me entendam mal (fãs da Herman), é uma cadeira excepcional. Mas pagar R$ 11.198 em uma cadeira estava completamente fora de questão.

Cheguei a cogitar comprar outra cadeira gamer, e isso seria um péssimo erro. Cadeiras para o público gamer não possuem uma boa ergonomia (o que é estranho, pois quem joga geralmente passa muito tempo na frente do computador).

Também procurei as cadeiras da Flexform. Apesar de ser uma marca excelente e a cadeira ter um ótimo custo-benefício, havia um problema: o peso suportado não era o ideal para mim.

E fiquei: e agora? Foi então que me recomendaram as cadeiras da Comfy. E ao invés de eu gastar quase R$ 12.000 numa Herman Miller ou quase R$ 2.400 numa Flexform, terminei gastando R$ 1.250 na Comfy.

Até agora minha experiência na cadeira tem sido bacana. Não vou cogitar fazer um review ainda, pois não se passou um mês e quero ter certeza que ela não vai simplesmente se desmontar.

A energia foi de arrasta, pela segunda vez.

Sempre pago meu aluguel assim que recebo. Só que a conta de papel de energia às vezes se perde, e eu me esqueço de pagar.

Em 2023, cortaram a energia daqui de casa por que fiquei dois meses sem pagar a conta. Foi um caos.

E em abril cortaram novamente. Não é nem pelo dinheiro: eu tinha dinheiro para pagar a conta de energia. Eu simplesmente esqueci de pagar ela. E cortaram logo de manhã. Um calor do inferno, eu precisava urgentemente trabalhar, e não tinha como.

O que fiz para remediar?

No dia, eu tive que ir trabalhar em um espaço de coworking. Devo dizer que gostei tanto da experiência que agora eu vou trabalhar no espaço de coworking ao invés de trabalhar em casa.

Ah, mas o home office. Eu gosto de home office, mesmo. Prefiro mil vezes do que trabalhar na empresa. Mas os benefícios de se trabalhar em um espaço de coworking, para mim, superam os de trabalhar de casa. E o principal deles é: interação social.

Trabalhar em casa estava me fazendo sedentário e somente o fato de eu ter que ir andando até o espaço de coworking já vai adiantar em algo na minha vida (e vai me fazer aprender a andar de ônibus, que com 32 anos, eu ainda não sei direito).

Como vou evitar que isso ocorra no futuro?

Eu descobri que a Neoenergia tem um WhatsApp onde você pode emitir a segunda via da fatura somente com o código do cliente. Ou seja, toda vez que eu receber meu salário, eu vou emitir a segunda via e pagar assim que receber.

Eu até coloquei um lembrete no Todoist para lembrar de pagar as contas. Falando em Todoist, voltei a usar a plataforma, pois não me adaptei as outras e a flexibilidade da plataforma é imensa.

O predadorzinho.

Tinha comprador um notebook Acer Predator em meados de 2022-2023. Tinha vendido um MacBook Air M1 em perfeito estado para comprar o Acer. Pois precisava jogar.

O computador é excepcional, uma placa RTX 2060, 16 GB de RAM (expansível para até 32 GB), 512 GB de SSD (expansível para até 960 GB) e com slot para mais um HD/SSD SATA de 960 GB.

Só que após anos de uso moderado (nunca realmente joguei nenhum jogo pesado nele, com exceção de Star Citizen), a placa de vídeo dedicada simplesmente falou: num quero. E, pelo que tudo indica, queimou.

Ah, isso aconteceu na mesma semana que a energia, tá? Na segunda foi o computador fazendo isso e na quarta-feira cortaram a energia.

O que fiz para remediar?

Então, nada. Eu apenas formatei o computador para garantir um desempenho maior e estou evitando rodar qualquer tipo de jogo nele (exceto Valorant).

Na verdade, ele está travando até mesmo com o Opera GX. O que é um caos.

Passos para evitar que isso ocorra no futuro.

Não tenho como prever falhas de hardware, principalmente em notebooks. Mas tenho como evitar surtar e só confiar notebook de marca que eu realmente confio.

Dito isso: decidi voltar para a Apple. Os custos de um MacBook M3 (ou o que seja vigente no ano de compra) continuam elevados, mas a grande vantagem é que a Apple mantém geralmente o preço após um upgrade.

Ou seja, eu posso montar uma poupança com o nome MacBook M3 e investir todo mês uma quantia para quando chegar no dia poder comprar o computador à vista.

E eu sei que a durabilidade de um Mac é longa. Muito diferente deste Acer fajuta que achei que duraria, no mínimo, uns cinco anos.

E para jogar eu vou comprar um desktop. Também coloquei uma poupança para comprar o desktop e as peças à vista. Geralmente comprando à vista temos 10 ou 12% de desconto, o que é um bom desconto considerando um computador que tende a custar R$ 8.000 ou R$ 10.000.

Em relação ao Acer, na sexta-feira agora irei levá-lo para uma assistência técnica para verificar se é possível dar alguma sobrevida para ele. Verificar os problemas que causaram esse caos e verificar se há como corrigi-los sem pagar rios de dinheiro.

O caos de empresa

Esse aqui é um pouco mais longo, então decidi que ficaria melhor uma postagem exclusiva sobre ele.

Mas em resumo e spoilers: desde o ano passado estava planejando as atividades de uma empresa (cujo nome não precisa ser citado). A ideia era oferecer design por assinatura.

A questão é que montar uma empresa não é simplesmente: ae, vamos abrir e vamos cobrar o preço que quisermos! Existe todo um planejamento:

  • Análise SWOT, o mínimo.
  • Plano de Negócios
  • Pitch Deck, caso queira investidores ou parceiros.
  • Análise de precificação

E depois disso ainda temos:

  • As metas da empresa
  • OKRs, caso queira utilizar (e recomendo 100%)
  • Metas ESG, etc.

E depois que a empresa estiver completamente planejada, é preciso investir em:

  • Anúncios (afinal, como os clientes vão conhecer a empresa)
  • Conteúdo (parar gerar content marketign)
  • Parcerias (para gerar soluções avançadas).

Depois de tudo isso, é que o site da empresa pode realmente ir para o ar. Se não, só vai criar uma falsa impressão de que “a empresa está no ar”.

Pois bem! Eu estava finalizando a etapa de precificação da empresa. Eu já tinha todas as análises, tudo direitinho para ser colocado em prática, tinha metas, a missão, visão e valores da empresa. Fiz uma consultoria fantástica do SEBRAE para isso.

E aí eu fui demitido da minha própria empresa (que eu estava fazendo com dois amigos) por que demorei demais e diferentemente deles eu tenho meu pai para me ajudar financeiramente caso precise. (É um caso complexo e depois explico. Mas em resumo: meu pai é meu banco, sem juros. Ele me empresta dinheiro, eu pago para ele).

Mas em breve entro neste assunto, de forma mais detalhada e o que fiz para evitar isso e como estou planejando a Per Aspera.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *